segunda-feira, 19 de novembro de 2012

París - PARTE II

O segundo dia na cidade de paris começou cedo e novamente com muita chuva, mas nada que nos detivesse de sair à rua à descoberta da cidade… 
A imagem do arco do triunfo estava sempre presente no início e no final do dia, mas só fomos mesmo visitá-lo no último dia.


Começamos por comprar numa das máquinas do metro o passe de 3 dias (Paris Visit), para utilizar o metro durante os dias que estivemos em París, custou cerca de 21 €, com viagens ilimitadas tanto no metro como no autocarro e com alguns descontos.
Alterámos o conteúdo dos dias que tínhamos planeado, então este foi o dia de visitar a Île de la Cité onde se localiza a Iglise Sainte-Chapelle e a Cathédrale  Notre-Dame que nos ocupou praticamente toda a manhã.
Optámos por entrar primeiro na Igreja Sainte-Chapelle, considerada por muitos uma das mais bonitas da Cidade de Paris.




A fila ainda estava relativamente pequena, por isso aproveitámos. Tivemos de passar pelo detector de metais, porque a Igreja fica dentro do palácio da Justiça. Assim temos que passar por duas filas, esta primeira, e depois uma segunda para comprar o bilhete para entrar na Igreja propriamente dita. Mas vale muito a pena o tempo de espera, que como chegamos cedo (9H00) não foi muito. Esta Igreja é composta por 15 janelas de vitrais com 15 metros de altura (as mais antigas de París), até ao tecto abobadado coberta com estrelas. O dia estava muito cinzento não deixando entrar luz natural pelos vitrais, ainda assim, esta foi a igreja mais bonita que vi até hoje.
Daqui seguimos debaixo do chapéu de chuva até à Cathédrale  Notre-Dame que quase foi destruída durante a revolução, restaurada depois pelo arquitecto Viollet-le-Duc. Tem 130 metros de comprimento, com uma nave central abobadada e quatro naves laterais. O órgão que possui é o maior do país. As torres têm 69 m de altura, para lá ir tem de se subir 387 degraus da torre norte para apreciar a magnifica vista sobre París. Na torre sul fica o sino Emmanuel, de 13 toneladas e entre as torres podem ser vistas as famosas gárgulas que se diz terem sido lá colocadas para espantar o diabo. Estivemos na fila para subir até às torres, mas decidimos desistir rapidamente, a fila andava muito devagar e como estava muito frio e chuva optámos por desistir, fica para uma próxima oportunidade…Partimos então À fila para visitar o interior da Catedral, que como a entrada é gratuita e a Catedral é grande a fila anda muito rápido.






Há saída da Catedral ainda encontrámos o Point Zero que é de onde parte a contagem dos Km’s de todas as estradas da cidade.
Seguindo pelo lado esquerdo da Catedral optámos por entrar num café e beber um capuchino e um crepe com nutella…Que soube maravilhosamente bem, e deu para aquecer um bocadinho…


Continuando a nossa descoberta pela cidade fomos até ao Palais e aos Jardin du Luxembourg, que até mesmo com chuva são lindíssimos. Que sorte tem os habitantes desta cidade de poderem usufruir destes espaços…
Este parque tem 25 hectares e é adorado tanto pelos Parisienses como pelos turistas, para passear, descansar ou mesmo para brincar com barcos telecomandados no lago.





De uma das saídas dos Jardins avista-se ao longe o Panthéon e foi para que fomos a pé. Não existia fila para entrar e depois percebemos porquê, o Panthéon encontrava-se com obras de restauro/manutenção e então decidimos não entrar. O Panthéon é o local onde se encontram os restos mortais das celebridades da cidade. É neste local que se encontra o famoso pêndulo de foucault.


Apanhámos o metro e seguimos até à zona do Hôtel de Ville, passando por entre o jardim onde se encontra instalada a Tour Saint-Jacques e percorrendo algumas das ruas da cidade chegamos à Place de L´Hôtel-de-Ville onde se pode ver o Hôtel-de-Ville grandioso e muito bonito.



Sempre a pé pelas ruas de París fomos ter ao Centre Gorges Pompidou que é uma das peças mais famosas do mundo da arquitectura moderna, com os seus tubos de cores vivas expostos na fachada. Encerra o Museu Nacional de Arte Moderna, para além de um cinema, biblioteca, lojas e espaços para espectáculos. Os tubos coloridos tem como função distribuir electricidade (cor amarelo), água (cor verde) e o ar condicionado (cor azul).
Não entrámos no Museu porque nem eu nem o Bruno somos muito conhecedores de arte, por isso preferimos ver apenas a arquitectura moderna do edifício.




Parámos para almoçar e descansar um pouco e ver se a chuva dava tréguas para continuarmos.
Continua-mos a pé para a Zona Les Halles que se encontrava em obras profundas de revitalização não foi possível ver praticamente nada apenas um placar que mostrava como vai ficar a zona depois de terminadas as obras, mais um parque verde para a cidade…
Apanhámos o metro e decidimos ir descansar um pouco para o hotel e trocar de calçado que estava todo encharcado de água. Já há noite fomos percorrer a Avenida champs-Elysées.
Nesta avenida existe de tudo e foi uma surpresa fantástica ver tudo o que tem para oferecer. Desde lojas de roupa, brinquedos, relógios, carros, cafés, restaurantes, animação de rua e muita, muita gente…ADOREI…
Entramos em várias lojas, apesar de termos vindo de mãos a abanar…Mas as lojas mais fantásticas são sem dúvida a das marcas de automóveis. Na Loja da Marca Peujeot que até um filme em 4D conseguimos ver gratuitamente depois de algum tempo de espera (experiência fantástica).



Até agora estávamos a adorar tudo, menos a chuva…e o frio!

(Fotografias: Mónica Costa e Bruno Varela)

Sem comentários:

Enviar um comentário