segunda-feira, 29 de julho de 2013

Amesterdão, a cidade que tem mais canais que Veneza e mais pontes que Paris!


Amesterdão nasceu na foz do rio Amstel, numa região que não tinha mais do que extensos lagos e pântanos que se encontravam abaixo do nível médio das águas do mar. O mar pouco profundo foi sendo conquistado pelas pequenas comunidades que aqui habitavam graças à construção de canais e diques. A cidade começa a desenhar-se como a conhecemos hoje, por volta do ano 1200, quando se estabelece uma pequena comunidade piscatória no local onde hoje é a praça Dam. Nos séculos seguintes, Amesterdão tornou-se num dos principais portos de comércio da Europa. No final do séc. XV, mais de metade da navegação do mar Báltico era de origem holandesa.
Renascida das duas guerras mundiais, a Holanda da segunda metade do século XX vive uma revolução cultural que transforma Amesterdão no que é hoje. Os hippies dos anos 60 vagueavam pela cidade, dormiam em sacos-cama nos parques e consumiam drogas leves em público. Mais tarde, surge o movimento Okupa que impediu a destruição do bairro de Nieumarkt, reclamando a sua reabilitação em prol da existência de habitação acessível no centro da cidade.
Amesterdão actualmente está disposta como uma teia de aranha com os canais a formar a trama que se estende na forma de meia-lua.
A Holanda é um país no qual, desde séculos, convivem diversas culturas, no qual florescem tanto a arte como a ciência. Uma quarta parte da Holanda encontra-se debaixo do nível do mar. Desde os princípios do século XIX, sobre o reinado de Luís Napoleão, Amesterdão foi declarada capital do reino e ainda o é. Amesterdão, a capital mais liberal da Europa é um grande íman que atrai todo o tipo de gente fascinante, que se sente em paz num lugar tão rematadamente belo e com tão poucas restrições. Deve-se desfrutar com cuidado e moderação.
Cidade dos coffee shops e das bicicletas, é tudo diferente do que geralmente se conhece. Um mundo à parte que facilita a difusão multicultural.
Deslumbre-se com os seus canais, a arquitectura fascinante e o ambiente inspirador.
Há um milénio era apenas um pântano por onde o Reno transbordava para o Mar do Norte.
Os quatro importantes canais do centro da cidade são Prinsengracht, Herengracht, Keizersgracht e Singel. Existe também inúmeros canais na zona de Jordaan, dos quais Brouwersgracht, Bloemgracht e Leliegracht são especialmente agradáveis.
Os canais fazem parte da história da cidade desde o Séc. XIV, no entanto, a maioria dos existentes foram construídos durante a época de ouro da cidade, no Séc. XVII.
Actualmente são usados como sistema de canal de transporte municipal usado pelos locais com três rotas diferentes por toda a cidade; e usado como sistema de transporte turístico para os seus visitantes e finalmente, estes canais também servem de residência. Os canais servem como casa para aqueles que optam por viver numa das muitas casas flutuantes de Amesterdão.
Para manter as condições sanitárias, os canais são lavados três vezes por semana, quando os bloqueios são abertos.

(Fotografia: Mónica Costa) 

Sem comentários:

Enviar um comentário